Minicursos

Espectrometria de Fluorescência de Raios x aplicada aos estudos do Quaternário 

Objetivos: Apresentar breve histórico e descrição sobre o princípio de funcionamento da técnica de Espectrometria de Fluorescência de Raios-X (XRF); Exemplos de diferentes equipamentos baseados no princípio da XRF (WD-XRF, ED-XRF, p-XRF, μED-XRF, SR-XRF); XRF para análise de solos, rochas e sedimentos; XRF para análise de materiais vegetais; Passo-a-passo da aplicação da XRF nos estudos do Quaternário: Da curva de calibração ao processamento de dados.;Exemplo aplicação da XRF no estudo de manguezais; Introdução às técnicas de espectrometria de absorção e fluorescência de raios X a partir da radiação sincrotron; Demonstração de equipamentos p-ED-XRF e μED-XRF do Dep. de Solos da UFV.

Responsável: Elton Eduardo Novais Alves.

Data: 22/07 e 23/07.

Métodos geoquímicos de análise paleoambiental

Objetivos: Abordar os conceitos básicos de geoquímica; Métodos de coleta e análise de sedimento, solo, rocha e planta; Métodos de análise elementar; Qualidade analítica; Indicadores de nível de intemperismo; Indicadores paleoclimáticos.

Responsável: José João Lelis Leal de Souza

Data: 22/07 e 23/07.

Técnicas isotópicas e bio-indicadores nos estudos de reconstituição ambiental (clima, vegetação e dinâmica marinha) no Quaternário tardio

Objetivos: Apresentar técnicas isotópicas (datação 14C por cintilação líquida e por AMS – acelerador de partículas acoplado a espectrômetro de massa) de amostras orgânicas e inorgânicas e espectrometria de massa na análise de isótopos estáveis do carbono e nitrogênio em amostras de solo, sedimentos lacustres, turfeiras e plantas e bio-indicadores como grãos de pólen, algas diatomáceas e espículas de esponjas utilizados em estudos de reconstituição paleoambiental no Quaternário tardio, com ênfase às trocas de vegetação com inferências climáticas, dinâmica marinha e evolução da paisagem ocorridas em distintas regiões brasileiras nos últimos 50.000 anos.

Responsável: Luiz Carlos Ruiz Pessenda

Data: 22/07 e 23/07.

Aplicação do laser scanner terrestre para avaliação de perda de solos

Objetivos: Abordar os princípios de aplicação do equipamento laser scanner terreste na obtenção da nuvem de pontos e suas aplicações gerais. De forma específica abordaremos a aplicação dessa metodologia no monitoramento de perda de solos em área de processo avançado de erosão.

Responsável: Felipe Carvalho Santana

Data: 22/07 e 23/07.

Dos Solos à Paisagem: Uma discussão teórico-metodológico

Objetivos: Discutir a necessidade de pesquisas multiescalares e multidisciplinares para compreensão da evolução da paisagem, passando por avaliações detalhadas dos solos e de sua interação com os demais elementos da paisagem. Tratando dos seguintes solos: A paisagem e as geociências; O solo como síntese dos elementos que compõem a paisagem atual e pretérita; As escalas de tempo e de espaço nas pesquisas sobre a evolução da paisagem; Metodologias multiescalares de estudos de solos e de evolução da paisagem; Exemplos de estudos que demonstram a importância do solo para a compreensão da evolução a paisagem.

Responsável: Grace Bungenstab Alves.

Data: 24/07 e 25/07.

Introdução aos estudos de Paleopedologia do Quaternário

Objetivos: Trabalhar com os conceitos básicos da paleopedologia, a identificação de perfis de paleossolos em campo, os problemas de classificação taxonômica e exemplos de seu uso para interpretações paleoambientais.
Conteúdo Geral: Fundamentos e história da paleopedologia. Feições pedológicas preservadas em paleossolos. Paleossolos e interpretação de paleoambientes. Propostas e problemas da classificação.
Exemplos de aplicação: sedimentologia/estratigrafia, geoarqueologia, paleoclimatologia.

Responsável: Francisco Sérgio Bernardes Ladeira.

Data: 24/07 e 25/07.

Solos Antrópicos – O estado da arte da Antropogênese

Objetivos: Os Solos Antrópicos são o resultado da modificação ou formação de aspectos físicos, químicos e morfológicos a partir da ação antrópica (processo de antropogênese), especificamente no período Tecnógeno, sobre solos ou ambientes naturais, seja adicionando, alterando ou retirando materiais na superfície terrestre, formando pédons ou corpos tridimensionais artificiais. Estes solos possuem uma diversidade de processos influenciadores na sua formação, entre os quais o período de tempo da sua formação (tempo cronológico), o tipo de alteração na constituição química, principalmente a adição de materiais orgânicos e inorgânicos e nas propriedades físicas e morfológicas, tais como textura, compactação, decapeamento e cor. A proposta desse minicurso possui importância devido a análise, compreensão e estudos destes solos serem consideradas complexos, em função principalmente da numerosa gama de variáveis envolvidas e do material atualmente disponível para seu estudo. Neste contexto, existe uma forte discussão a nível acadêmico sobre a conceituação dos solos formados pela ação Antrópica e principalmente a distinção destes. Desse modo, o objetivo geral deste minicurso é realizar a apresentação e discussão sobre os conceitos e características referentes aos três principais tipos de Solos Antrópicos existentes no território brasileiro: Arqueoantrossolos (Terra Preta de Índio e Sambaquis), Antropossolos e Solos Urbanos. Para complementar, os objetivos específicos são os seguintes: i) realizar uma revisão, discussão e distinção para o conceito e as características vigentes de cada tipo de Solo Antrópico; ii) discutir e abordar as principais e mais observadas características físicas, químicas e morfológicas detectadas em estudos voltados para estes tipos de solos; iii) destacar as principais técnicas usadas para a compreensão destes solos; e iv) apresentar e discutir as classificações morfológicas existentes para os Solos Antrópicos.

Responsável: Rafael Cardoso Teixeira

Data: 24/07 e 25/07.

Bases Taxonômicas e Palinológicas para o Quaternário

Objetivos: Conhecer a Palinologia e as suas bases palinotaxonômicas para a aplicação em estudos do Quaternário; Introduzir os conceitos básicos de Taxonomia, Nomenclatura e Sistemática; Descrever a história da Palinologia e sua importância como ciência aplicada nos estudos Palinotaxonômicos, Paleobotânicos, Paleoecológicos, Paleoclimáticos, Estratigráficos e Arqueológicos; Caracterizar os principais métodos para o estudo de Palinologia atual e do Quaternário; Apresentar os bancos de dados e catálogos palinológicos e taxonômicos; Reconhecer as principais características dos grãos de pólen em microscopia óptica partir de uma palinoteca didática.

Responsável: Higor Antônio Domingues.

Data: 24/07 e 25/07.

 

Os minicursos terão duração total de 8 horas e serão ministrados em dois dias.

O depósito deve ser realizado em:

BANCO CAIXA ECONÔMICA FEDERAL

OPERAÇÃO 013

AGÊNCIA 0168

CONTA 00171977-3

VITOR THOMAS SANT AMARO

Após o pagamento, favor enviar a confirmação (comprovante de pagamento) para o e-mail: cabequa@gmail.com com o título CONFIRMAÇÃO DE MINICURSO. No corpo do e-mail informar o NOME COMPLETO e MINICURSO ESCOLHIDO.

Em Breve mais minicursos e informações.

Equipe de Desenvolvimento Web/UFV - 2013 - Mantido com Wordpress